quinta-feira, 17 de novembro de 2016

Uma perspectiva negra sobre a Literatura: a primeira romancista brasileira

39 Comentários


Você sabe quem foi Maria Firmina dos Reis? Eu também não sabia, nunca tinha ouvido falar o nome dela até dois meses atrás, quando estava em um encontro do clube de leitura Leia Mulheres daqui de SP.

Maria Firmina dos Reis, mulher negra, afro-descendente e bastarda, nasceu no Maranhão em 1825. Publicou em 1859 o primeiro romance abolicionista do Brasil, intitulado “Úrsula”, que retrata a sociedade brasileira da época e toda violência do sistema em que era normal escravizar outras pessoas por sua cor de pele, além disso, o livro também questiona a legitimidade dessa ação, com presença marcante de elementos da tradição africana. Em 1887, auge da iminência da abolição da escravatura, a autora também escreveu o conto “A Escrava”, em que reitera sua postura antiescravista.

Tendo em vista que a escravidão no Brasil durou de 1530 a 1888, quase quatrocentos anos, Maria Firmina foi uma mulher que escreveu no período da escravidão e se ainda é difícil para as mulheres negras escreverem, serem publicadas e lidas atualmente, imagine o quão difícil era no século XIX, em que além da limitação de ser mulher, a submissão imposta em uma sociedade patriarcal, o preconceito racial se fazia presente. Por isso, a autora usou o pseudônimo “Uma Maranhense” em sua primeira publicação. No prólogo, é explicitado que o ato de escrever era predominantemente feito por homens brancos, ricos e com uma boa educação: "pouco vale este romance, porque escrito por uma mulher, e mulher brasileira, de educação acanhada e sem trato e conversação dos homens ilustrados".

Maria Firmina dedicou-se também ao magistério, foi professora de primeiras letras e chegou a abrir uma escola mista, que não existia na época e foi motivo de escândalo, sendo fechada pouco tempo depois.
Morreu em 1917, com 92 anos. Pode presenciar a Abolição da Escravatura, mas não viveu para ser reconhecida em vida, sua obra e a importância dela só foi descoberta na década de 1970 e ainda é pouco conhecida e estudada. Vamos divulgar e compartilhar essa informação para que mais pessoas saibam quem foi Maria Firmina dos Reis e a importância da sua obra.



Maria Ferreira é baiana e mora em São Paulo. Estudante de Letras e apaixonada por Literatura. É autora do blog Minhas impressões e colaboradora do blog Papel, palavra, coração. 

Siga no: 

39 comentários:

  1. Enviamos um convite para o teu email :)

    ResponderExcluir
  2. Ola
    Eu nao a conhecia, mas achei ótimo saber um pouco a seu respeito. Realmente é essencial que haja uma divulgação mais abrangente sobre seu trabalho, especialmente pela importância e para ser reconhecida também. Parabéns pela ação!
    Beijos, Fer
    www.segredosemlivros.com

    ResponderExcluir
  3. Já tive a oportunidade maravilhosa de ler a Maria Firmina e adorei. Pena que a grande maioria não a conhece, porque tenho certeza que amaria tanto quanto eu.
    MEU AMOR PELOS LIVROS
    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Oi Maria!
    Não conhecia a sra Firmina dos Reis! mas claro, que obras assim geralmente são esquecidas ou passam desapercebida. Bacana vc trazer a tona e levantar a bandeira que precisamos rever nossos conceitos, que precisamos mudar. Bjs

    ResponderExcluir
  5. Eu não conhecia, mas muito obrigada por introduzi-la. Com certeza estarei de olho em alguma obra dela, estou sempre em busca de leituras diferentes e que possam acrescentar um algo mais para mim após a leitura. Parabéns por estar trazendo a autora para mais gente ter a oportunidade de conhece-la. Bjs

    ResponderExcluir
  6. Olá,
    Não conhecia ainda, achei interessante e gostei de saber a respeito.
    Acho que é importante conhecermos obras assim.
    Beijos
    www.estilogisele.com.br

    ResponderExcluir
  7. Nossa, que postagem mais interessante.
    Eu ainda não a conhecia e poder conhecê-la aqui no blog foi muito bom. Acho que devemos dar valor para nossos talentos sim e ver uma história como esse é inspirador. Saber que só teve o reconhecimento após a morte é triste mas pelo menos ela cumpriu o seu dever, fez o que achava certo e lutou pelos seus ideais.

    ResponderExcluir
  8. Certo dia eu estava comentando que é difícil ver personagens negros nas histórias, mas a verdade é que são ppucos escritores negros ainda infelizmente. Amei seu post com um que de história e falando de romancistas que fizeram e fazem parte da nossa literatura. Beijos

    ResponderExcluir
  9. Que post incrível!! Super bem escrito, informativo... amei. Adorei conhecer essa autora. É a primeira vez que leio sobre a Maria Firmina! Já quero muito ler as obras dela, e espero realmente fazer isso em um futuro próximo. Parabéns pelo ótimo post!
    Beijos

    ResponderExcluir
  10. Oi Maria ^^
    Desconhecia completamente essa autora! E ainda estou chocado por tal.
    Em nenhum momento da minha educação escolar o nome Maria Firmina dos Reis me foi mencionado. Na realidade, parando para refletir, não estudei sobre nenhuma escritora brasileira do passado. As autoras que sempre são atribuídas como "primeiras" escritoras mulheres: Jane Austen e Emily Bronte. E elas nem são brasileiras!
    Você não imaginar o quanto foi bom poder saber mais sobre o passado da nossa literatura nacional, Maria. <3
    Vou já procurar e adicionar os livros da escritora no meu skoob.
    Bjs

    ResponderExcluir
  11. Olá!
    Ainda não conhecia a Maria Firmina, mas achei a sua história muito emocionante e marcante! Ela parece ter lutado muito por vários direitos e isso me agradou muito. É uma pena que ela não tenha vivido por um tempo maior para colher os frutos por ela plantados.
    Vou procurar seus livros.
    Beijos,
    Um Oceano de Histórias

    ResponderExcluir
  12. Olá
    Não conhecia Maria Firmina e achei sua história muito interessante!
    Muito legal seu postAh, eu adoro Clubes de Leitura e acompanho vários Leia Mulheres, mesmo nao participando sempre
    Bjks mil

    www.maeliteratura.com

    ResponderExcluir
  13. Olá!

    Espera, se Maria Firmina foi a primeira romancista brasileira, então Francisca Julia foi a segunda... uau, me ensinaram errado na escola. Não a conhecia, então estou surpresa. Vou pesquisar sobre ela.

    ResponderExcluir
  14. Olá!! :)

    Eu já conhecia a autora... Quer dizer, também li uma pequena biografia, como esta!! :) ahah

    Admiro muito a historia de vida da autora, que ultrapassou tantos preconceitos da sociedade e conseguiu fazer o que realmnete desejava! :)

    Boas leituras!! ;)
    no-conforto-dos-livros.webnode.com

    ResponderExcluir
  15. Oie, eu já tinha ouvido falar no nome dessa autora mas não sabia do que tratava sua obra, e achei bem interessante a premissa, e achei ainda mais interessante a sua coragem em desafiar uma sociedade tão fechada e preconceituosa em plena escravidão, para escrever sobre o tema.

    ResponderExcluir
  16. Não conhecia a autora, infelizmente, mas nunca é tarde, né? Gostei muito da sua postagem, e que pena que ela morreu sem ser reconhecida ainda viva. :(
    Fiquei muito curiosa para ler sua primeira obra, ela foi muito corajosa em escrever algo do tipo naquela época.
    beijos
    www.apenasumvicio.com

    ResponderExcluir
  17. Olá, confesso que nem eu conhecia essa autora mas achei muito interessante o fato de ela ter a mente tão avançada em uma época que não nos permitia partilhar opiniões por sermos mulheres. Fiquei curiosa por suas obras e já anotei pra procurar.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  18. Oiii!!

    Maria que post mais amor!
    Eu não conhecia a autora e me arrependo, com certeza teria sido muito bom adiciona-la ao meu TCC.
    Gostei muito de ver essa postagem e agora vou tentar saber mais sobre ela!

    Beijinhos

    ResponderExcluir
  19. Não conhecia a obra e nem a autora - e acho que é realmente uma pena uma vez que, pelo que vi na sua postagem ela teve e tem uma importancia na literatura nacional.
    Isso me lembrou uma outra postagem que li recentemente em um blog, que fala de alguns nomes grandes da literatura nacional e que ninguém lembra que eram negros. Se já é complicado esse detalhe ser 'gravado' pelos estudantes uma vez que muito pouco ou nada se fala nas escolas sobre isso, imagina sendo escritora mulher - e negra - em um período mais do que dominado por brancos e ricos.
    Eu iria dizer que o bom é que nunca é tarde para a gente conhecer mais a nossa história, que nunca é tarde para dar valor... Mas acho que é uma pena e um grande erro esse pensamento - uma vez que, falando de modo geral, continuamos a nos preocupar pouco com as minorias, continuamos a não dar valor e depois justificamos esse fato com o 'antes tarde do que nunca'...
    Vou atrás das obras da autora para ler (espero encontrar na biblioteca da cidade). Adorei sua postagem :)
    Beijinhos,
    Lica
    Amores e Livros

    ResponderExcluir
  20. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  21. Olá!
    E que post incrível! Fiquei feliz e triste ao mesmo tempo. Feliz por saber que a obra não foi perdida na história e podermos prestigiar um trabalho maravilhoso nos dias de hoje. E triste por, além dela não ter sido reconhecida em vida, não ver mais a respeito dela por aí. Quer dizer, eu gostaria de ter conhecido sobre ela na escola.
    Obrigada por trazer esse post pra gente <3
    Beijos,

    Luana

    ResponderExcluir
  22. Oi!

    Que bacana o seu post! Eu não a conhecia, quer dizer, sabia de nome, mas nunca li nada. Achei seu post muito legal e acho que deva fazer mais, porque apesar de amar literatura brasileira, eu nunca tive contato com essa mulher maravilhosa :( Parabéns!!!

    bj

    ResponderExcluir
  23. Oi Maria, eu não conhecia a Maria Firmina e adorei poder conhecer sua história. Com certeza ela pode ser considerada uma mulher influente. É sempre bom saber que existiram mulheres fortes que lutaram pelos direitos dos brasileiros, independente de raça ou status social. Abraços

    ResponderExcluir
  24. Que indicação maravilhosa!
    Eu tenho que admitir que não sabia de absolutamente nada disso e fiquei até com raiva de não ter lido nada sobre isso antes. Essas informações e esses livros tem sim que ser divulgados com mais frequência, como você mesma disse.
    Achei a proposta incrível, é sempre bom ver gente que pode até sofrer com as injustiças do período, mas acha um jeito de ser superior a tudo o que acontece. O fato de ela ser mulher e negra em uma sociedade machista e escravocrata e ainda assim ter a coragem de publicar um livro que retratava exatamente o que acontecia é incrível!
    Muito obrigada mesmo pela indicação, com certeza vou procurar mais sobre isso!
    Beijos!

    www.beyondbluedoors.com

    ResponderExcluir
  25. Oi, tudo bem?
    Eu não conhece essa autora mesmo e por isso gostei muito do seu post, porque assim consegui conhecer um pouco sobre ela. Bom, imagino que deve ter sido realmente bem difícil para ela publicar a obra mesmo e isso me faz admirá-la. Enfim, gostei de saber um pouco sobre essa autora e achei curiosa essa obra dela, tanto que vou procurar saber mais.

    Beijos :*

    ResponderExcluir
  26. Adorei realmente essa perspectiva negra da literatura. Não conhecia esta autora, mas a história dela é um marco realmente. Alguém que consegue vencer tudo e mostrar um belo trabalho, merece destaque.

    ResponderExcluir
  27. Helloo, tudo bem?!
    Nossa, eu gostei demais desse post, descobrir autores que não conhecíamos e essas coisas é muito bom e interessante. Fiquei curiosa por um pouco mais da vida da autora e suas obras. Já vou correndo procurar. Questionar a escravidão é algo importante e concernente a autora fez o que estava a seu alcance. Pelo menos conseguiu ver a abolição da escravatura apesar dos muitos preconceitos que continuaram existindo.
    Enfim, um ótimo post.
    Beijin...

    ResponderExcluir
  28. Apaixonadíssima pela postagem tão informativa, realmente isso é algo que poucas pessoas sabem, eu mesma nunca tinha ouvido falar sobre Maria Firmina dos Reis, a primeira romantista do Brasil e ainda tão pouco reconhecida! Realmente é um conhecimento que precisamos sempre compartilhar <3

    ResponderExcluir
  29. Olá!
    Sempre gosto muito desses posts que você traz no seu blog, porque realmente, somos muito ignorantes em relação à literatura negra. Não conhecia a autora mas adorei saber um pouco mais de sua luta e suas obras. Com certeza vou indicar essa sua postagem para várias pessoas!
    Beijos.

    ResponderExcluir
  30. Oi Maria!
    Que post interessante. Não conhecia a Maria Firmina e gostei demais de saber um pouquinho mais sobre ela e sobre suas obras (simplesmente louca para ler, já que retratam um período que me interessa muito).
    Aqui em Salvador também tem um grupo do Leia Mulheres, mas nunca fui a nenhum encontro (pretendo ir em breve, mas sempre choca o horário deles com o de outro clube que participo).
    Parabéns pelo post e pela iniciativa de nos apresentar informações, de certa forma, desconhecidas. Faz mais posts assim. :)
    Beijos

    ResponderExcluir
  31. Olá!
    Eu adoro história escritas na época da escravidão ou que retratam de algum modo esse passado. Eu não conhecia essa autora e saber que ela escreveu esses romances me deixou muito curiosa, fiquei realmente muito interessada. Eu quero algum dos livros dela, vou procurar. Obrigada pelas informações, adorei sua iniciativa.
    Beijos,
    Nay
    Traveling Between Pages

    ResponderExcluir
  32. Olá!!
    Não conhecia Maria Firmina e nem suas obras,mas como me interesso muito em conhecer mais afundo esse época da escravidão já vou correr a procura dessas leituras.
    Continue fazendo posts assim,e disso que precisamos,conhecer um pouco mais escritores na nossa própria terrinha!!

    http://livroaoavesso.blogspot.com.br/2016/11/resenha-sua-espera-abbi-glines.html

    ResponderExcluir
  33. Oiii!!!
    Que interessante, eu também desconhecia a autora. Realmente ela foi muito corajosa. Ela viveu em tempos muito mais difíceis. Mesmo depois da escravidão ser abolida, muitas pessoas continuaram como escravos por não terem para onde ir. Grande mulher ela. Com certeza vou querer ler o romance dela. Uma pena que nas escolas, é muito difícil falarem sobre autores assim por não serem muito conhecidos.
    Beijos

    ResponderExcluir
  34. Nossa! Que legal esse livro. Eu desconhecia a autora e sem dúvida quero ter o prazer de ler o livro dela. O tema me deixa bem curiosa, a final de contas, poderemos ver a escravidão e o preconceito pela visão de quem sofreu com isso.
    Amei seu post.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  35. Oi querida, como está?!
    Soube da existência dessa autora não faz muito tempo e fiquei fascinada pela história dela. Especialmente porque ser escritora em um país como o nosso é difícil ainda hoje. Consigo imaginar tudo o que essa grande mulher sofreu em razão das condições em que ela nasceu e se criou.
    Abraços e beijos da Lady Trotsky...
    http://rillismo.blogspot.com

    ResponderExcluir
  36. Não a conhecia, mas gostei da indicação. Que guerreira e que pena não poder ter visto o valor de seus livros - e história - ainda em vida. Sonho com um Brasil mais leitor.
    Um feliz 2017!

    ResponderExcluir
  37. Olá, Maria!
    Poxa, eu nunca havia ouvido falar da Maria Firmina! E como é importante falar sobre isso! Que bom que você trouxe a história dessa escritora maravilhosa pra nós. É impressionante ver que algumas pessoas ainda dizem que racismo e machismo não existem no Brasil. Claro que existe, do contrário nós conheceríamos mulheres como Maria Firmina. Mas não conhecemos, não tivemos a chance de sermos apresentados a ela e sua obra. Que bom que há pessoas como você, Maria, que nos apresenta mulheres incríveis e que fizeram e fazem a diferença. NÃO NOS CALAREMOS.

    Beijo!

    Blog || Fan Page

    ResponderExcluir
  38. Bom dia, Yohana!Gostei muito do seu artigo,. Sim eu sei quem foi Maria Firmina dos Reis, ela foi tema da minha monografia de pós graduaçao -'Historia da Africa e da Diaspora africana no Brasil", quis falar sobre o papel da mulher na literatura do seculo XIX, e me deparei com essa romancista maravilhosa, pouco conhecida, muito pouco estudada, pouco material disponivel, O tema da minha monografia foi; "AS REPRESENTAÇÕES DA ESCRAVIDÃO NA LITERATURA BRASILEIRA DO SECULO XIX, O CASO DO ROMANCE URSULA , DE MARIA FIRMINA DOS REIS, consegui comprar um exemplar do romance e fiquei fascinada, pela primeira vez na literatura brasileira o negro tem voz e vez, sente dor, sente saudades,bebe para lembrar da liberdade na Africa e na voz de um jovem escravo nascido no Brasil diz; "A MENTE, ISSO NINGUEM PODE ESCRAVIZAR...Fantástico e apaixonante para os padrões da época, Maria Firmina merece sim ser reverenciada pela sua ousadia e pela sua obra.Meu total apoio. Minha monografia se encontra na biblioteca da Faculdades Integradas Simonsen-Endereço: Rua Ibitiúva, 151 - Padre Miguel, Rio de Janeiro - RJ, 21715-400
    Telefone: (21) 2406-6464
    Abraços.
    Se quiser me contactar estou no facebook
    https://www.facebook.com/francisca.rosa.313

    ResponderExcluir
  39. Olá!

    Ainda não conhecia a autora. Achei o seu post bem importante, as vezes não nos damos conta da riqueza na literatura que possuímos em nosso país. Bela iniciativa.

    Abraços, Heitor Botti
    shakedepalavras.blogspot.com

    ResponderExcluir