segunda-feira, 13 de agosto de 2012

Particular

14 Comentários




Sempre que chega uma data especial, imagino sobre o que escrever sem cair no clichê dos elogios manjados ou concordar com as frases de efeito normalmente disseminadas. 
No dia dos Pais não foi diferente. Fui buscar inspiração. Fotos, música, palavras. Mas logo refleti que nenhum abraço clicado representava o que eu queria expressar. Nenhuma canção embalava minha inspiração. Nenhuma grande história de lição de vida traduzia meu sentimento. Não por não ter exemplos mas pelo meu sentir e minha vivência não caberem em exemplos prontos e fatídicos.  
Não havia fuga então, de retratar o meu. Todos aqueles depoimentos perfeitos não me apeteciam. Pois ora, meu pai não é super herói. Não me salvou dos monstros dos pesadelos noturnos ou vilões como nas historinhas. Mas luta diariamente contra o verdadeiro lobo mau - o capitalismo - e suas mazelas.  
Meu pai não transforma cenários feios em momentos perfeitos como um passe de mágica. Nem é capaz me proteger de todas as maldades e percalços possíveis nesta jornada em que há vinte e oito anos caminhamos juntos. Meu pai é de carne e osso. 
Um pai que vive, sente, erra, acerta, aprende e ensina. Pai de agenda lotada, que ainda que nem sempre presente, brilha quando está por perto e faz falta quando longe ou logo ali. E que faz a diferença na minha vida.  
Pai que pega no pé e dá a mão quando é preciso. Que aturou minhas rebeldias adolescentes e apoiou nas minhas crises adultas. Que brindou minhas conquistas e sofreu comigo as minhas derrotas. 
Meu pai é admirável pela sua garra e ideais. Que entra com coragem na berlinda que é viver e levanta a bandeira de que só a luta muda a vida.   
Pai que reclama quando bagunço o seu jornal ou não atendo o celular. Pai que faz o melhor salmão do mundo inteirinho e que puxa a minha orelha quando me atraso para os nossos almoços. Que nos parques de diversão balançava a cadeira da roda gigante quando ela parava com a gente no topo. Que não protegia meu irmão dos afazeres domésticos, o que me deixava deveras feliz. Que caçava tatuí conosco nas areias da praia, fechava garrafas de água que não conseguíamos mais abrir e viajava constantemente deixando interrogações. 
Também por isso meu pai não se fez o melhor conselheiro ou amigo e muitas vezes - como tantos - deixou que a mãe representasse seu papel. Mas nem por isso deixou de, até hoje, ocupar como pode o seu lugar. Seu silêncio e meu jeito prolixo de ser, que antes constrastavam, hoje se equilibram. Seu jeito questionador hoje se explica na minha personalidade.
Com seus defeitos e qualidades, corrige as lacunas do passado e por vezes ainda me faz sentir como criança que precisa da mão dada pra andar na rua. 
Mais que sangue do meu sangue ou parte provedora da minha existência. Um pai em quem reconheço não só a minha cara mas, sobretudo, minha vontade de brigar pelo que quero e acreditar que um mundo melhor é possível. Um amor particular que agora torno público pela primeira vez.
_________________________________________________________________________________
Uma homenagem ao meu amado pai, Heitor Fernandes Filho. Feliz dia! 

14 comentários:

  1. Que amoooor impresso aqui Yohana!
    Que belezura de escrito, que homenagem linda!
    Um beijo

    ResponderExcluir
  2. Que bonito, Yohana!
    Seu pai já leu?
    Ele vai ficar muito contente e orgulho depois de ler essa linda postagem.

    Sacudindo Palavras

    ResponderExcluir
  3. Lindíssima homenagem...

    Ótima semana para você!

    ResponderExcluir
  4. Lindo, encantador. A sua escrita é pura, doce; maravilha de se ler. Amei.

    ResponderExcluir
  5. Linda homenagem Yohana!
    Dei risada com as garrafas de água, meu pai também fecha pra sempre as coisas... ahahaha
    Amei!
    Beijinhos!

    ResponderExcluir
  6. Esse amor particular é o mais sincero e perfeito, pelo menos pra mim. É aquele que a gente sente que é pra sempre. Amei, Yohana!

    Beijos,
    mil inspirações.

    ResponderExcluir
  7. Yohana, seu blog é muito bom porque vc escreve com simplicidade e ao mesmo tempo com encantamento... Quero muito ver seu livro editado! Bjs
    Flávia
    Blog Atividade Pensante

    ResponderExcluir
  8. Yohana, seu blog é smepre inspirador e gostoso de ler.... queria ue ter esse dom da escrita,pois o da leitura tenho de sobra!!!
    Bjus no core

    ResponderExcluir
  9. Oi querida Yohana,

    Tudo bem? Você escreve bem de qualquer forma, pois até em uma homenagem, o coração domina as palavras.

    Beijos.

    Lu

    ResponderExcluir
  10. Olá.
    Legal, gostei muito,parabéns.
    Divulgue seu blog no Portal Teia,é grátis e rápido.
    Se interessar é só dar uma passadinha lá.
    Até mais

    ResponderExcluir
  11. Yohana, seu blog é... buscando uma palavra que defina, rs; sua escrita é indescritível, PARABÉNS, seu pai teve sorte menina, rs; Até breve.

    ResponderExcluir
  12. Amor de pai e filha pra mim é o mais puro, o mais sincero.
    Meu pai é tudo pra mim, não me imagino sem ele.
    Bela homenagem a sua para o seu pai, ele deve ter amado!

    Beijos

    ResponderExcluir