sábado, 16 de abril de 2011

Diagnóstico.

53 Comentários
Começa onde termina. Num sei lá o quê de mistério, sem explicação. 
Diz na mensagem de celular que atravessa minha madrugada, que sou chata, que tirei seu sono. Depois diz nas letras digitadas que ainda existe algo, algo não, um sentimento forte a sentir, a temer. 
Com toda a malemolência de menino carioca que ainda tem, assina com um beijo no canto da boca. E fala de um possível abraço que poderia acontecer.
Brinco e digo que é tudo mentira, coisa feia. Brinco denovo, sei que já não há por que mentir. Mas de fato, se não tivesse assistido tal prática anos a fio sendo praticada com tanto afinco, até acreditaria, sorrindo e suspirando. 
Mas só sorrio. Sinto hoje que tua insistência é abrigada pela falta que a falta faz quando já não se tem mais. E eu admito, acontece aqui também. 
O que te salva e não me liberta, são essas músicas deixadas como herança non grata. E eu ainda acho que deveria ser extinta essa coisa de dedicar músicas às pessoas que habitam temporariamente o nosso coração. No fim, as pessoas se vão, os romances acabam, mas a bendita da musiquinha fica, fica grudada na mente, tocando mais que aquele sucesso que se manteve por um ano no TOP10 das rádios e ainda parece nos mandar a mensagem:"tá ouvindo esta letra? É pra você lembrar de mim!". 
Fica conflitando o meu bom senso e o espaço de lembrança quieta, finada, que minha memória deveria conter. 
Lembrança. Você diz que sou linda, sua linda lembrança. Subverte o sentimento, incapaz de enquadrá-lo em algo que faça sentido. Compartilho de tal incapacidade, haja vista tantas pequenas frestas deixadas abertas. Daí o estrago, o desassossego nosso de cada peça pregada pelo destino. Do pensamento de um,  um e-mail do outro. Do sonho de um, um telefonema do outro. Essa ligação inexplicável já é assunto comum e manjado nessas e noutras linhas. 
Talvez fosse explicada com aquela coisa de vidas passadas, futuras e sei lá mais qual tempo, mas eu não acredito nisso. Nem você. Pra variar, você completa o cenário como quem nasceu com vocação pra me desconcertar dizendo que tudo isso parece sim, é um romance literário, que se publicado, daria grande audência. Acho graça. 
Mas não faz essa linha, não combina contigo. Prefiro a imagem do menino que mentiu a idade pra me conquistar. O menino com cara de sono e cachos desarrumados, que se destacava por seu estilo rebelde e gestos encantadores. Me presenteava com pelúcias amarelas dizendo que era pra combinar comigo na fase anêmica. Deboche puro. 
Um dia desses inclusive, me perguntaram qual foi o presente mais diferente que já recebi. A resposta veio rápido: você trazendo um buquê de "flores copo de leite" junto de uma barra de chocolate entre elas, com um cartão, a imaginação, a criatividade e a justificativa de quem só estava seguindo a recomendação do doutor para a menina dodói que teimava em não gostar de leite mas precisava melhorar. Sem igual. 
Fugas, surpresas, caixa postal cheias de cartas em plena era virtual. Viu só? Acontece aqui também, passa um filme. Mas agora ele tem censura. Ainda que teimoso e resistente. Talvez justamente por ter sido interrompido com tanta bilheteria a render. Na verdade, poderia ser um disco também, mas nós seguimos carreira solo e fica complicado agora conferir de perto se tudo é mesmo assim, como a crítica diz. 
Então, vou fingir que não me importo tanto assim e concordar com você, perigosa essa idéia de abraço. Deixemos esse amor quietinho, em seu lugar. Vai que Gabito Nunes tem razão quando diz que "os amores mais bonitos são aqueles que nunca foram usados". 
Não precisamos de reencontros pra constatar o que fomos ou ainda somos. 
Nosso diagnóstico na verdade, aponta que essa dor mansinha, feito chuva fina e repentina, não vem de ficar em off como a razão nos sugere. Vem sim por anunciar uma ameaça a paz, quando só se sabia ser saudade e carinho.  
Pensava ser parte da cura um reencontro, revisita, apenas pelo que foi, sem bis nem pretensões. Mas não. Com toda liberdade de quem não escolhe o tratamento mais conveniente, o coração se rende a razão dessa vez. Tratamento alternativo. Era pra ser um abraço, mas preferiu ser um adeus.

53 comentários:

  1. Era pra ser um abraço, mas preferiu ser um adeus.
    e que escolhas temos né?
    Lindo e triste!
    Beijos,um ótimo fim de semana querida! ;)

    ResponderExcluir
  2. A nossa alegria supera nossa tristeza, nosso consolo supera nossa dor, nossa fé supera nossa dúvida, nossa esperança supera nosso desespero, nosso entusiasmo supera nosso desânimo, nosso sucesso supera nosso fracasso, nossa coragem supera nosso medo, nossa força supera nossa fraqueza, nossa perseverança supera nossa inconstância, nossa paz supera nossa guerra, nossa luz supera nossa escuridão, nossa voz supera nosso silêncio, nossa paciência supera nossa impaciência, nosso descanso supera nosso cansaço, nosso conhecimento supera nossa ignorância, nossa sabedoria supera nossa tolice, nossa vitória supera nossa derrota, nossa ação supera nosso tédio, nosso ganho supera nossa perda, nossa resistência supera nossa fragilidade, nosso sorriso supera nosso choro, nossa gratidão supera nossa ingradidão, nossa riqueza supera nossa pobreza, nosso sonho supera nossa realidade... Nosso amor a Deus, ao próximo, à vida, nos faz superar tudo! (Pr. Edilson Ram)Uma semana de vitórias Deus é com tigo creia! TENHO UM BLOG GOSTARIA DE TI CONVIDAR SEGUIR O ENDEREÇO É:http://SNSDEUS.BLOGSPOTFICA COM NOSSO PAPAI já estou te seguindo te encontrei através de uma amiga,post teu comentario vai ser uma benção prs seguidores e visitantes uma semana com muita sorte de benção!!!

    ResponderExcluir
  3. Amei o texto, pra variar... :)" E eu ainda acho que deveria ser extinta essa coisa de dedicar músicas às pessoas que habitam temporariamente o nosso coração." Muito bom, eu tb tenho essa mania de relacionar músicas e estraguei um monte delas em relacionamentos errados... O que gosto muito nos seus textos é que, mesmo não estando em situação parecida, eu me identifico com os sentimentos passados... muuito bom! Parabéns!

    ResponderExcluir
  4. Sinto a intensidade desse teu texto quase me agarrar pela tela e abraçar. Os teus posts me alcançam de uma forma inexplicável, Yohana. A proximidade do que está escrito e do que sinto é tão grande que às vezes me pergunto como é possível tal semelhança.
    Os teus textos cumprem, na minha opinião, uma das maiores funções da literatura, que é aproximar as pessoas, por mais distantes que estejam.
    Então fico feliz aqui, por saber que traduzes tão bem os sentimentos alheios e com palavras tão singulares, como essas, que me acertaram um cruzado de direita:

    "E eu ainda acho que deveria ser extinta essa coisa de dedicar músicas às pessoas que habitam temporariamente o nosso coração..."

    Eu compactuo da mesma opinião, mas creio que quando há sintonia, talvez não fosse preciso existir músicas, a lembrança estaria lá de qualquer modo.

    Te admiro cada dia mais, moça. E parabéns por mais um texto incrível.

    ResponderExcluir
  5. Quanta intensidade num texto só!
    Me encantou, simplesmente.
    "Era pra ser um abraço, mas preferiu ser um adeus."

    Vou seguir-lhe.

    ResponderExcluir
  6. "Sinto hoje que tua insistência é abrigada pela falta que a falta faz quando já não se tem mais."
    tão lindo que chega doi.
    amei yo.

    ResponderExcluir
  7. Amei absurdos esse texto !
    Já estava sentindo falta de ler coisa assim ,
    que me prendesse do inicio ao fim ..
    Me trouxe respostas , me trouxe clareza
    Obrigada Yohana por compartilhar essa intensidade
    toda ..

    beijos sua queridíssima !

    ResponderExcluir
  8. A gente sabe quando tem que partir, não é? Tudo uma hora tem de ir embora. E se esse coração dá adeus é porque já é hora de ir há muito tempo.

    ResponderExcluir
  9. Saudades desse canto e de tuas palavras tão sutis e inteligentes e de tuas histórias e mesmo contadas por outra pessoa, não seria tão interessante.



    Beijo

    ResponderExcluir
  10. O adeus... Sempre tão marcante. Assim como as suas palavras também foram.
    Elas marcaram enquanto expressavam marcas.
    É... São coisas da vida; coisas de nós.

    Um beijo.

    ResponderExcluir
  11. Obrigada flor pelo apoio. Magnifico post, me prendeu por completo.

    ResponderExcluir
  12. Que lindo!
    Adorei!
    Passando para lhe desejar um bom final de semana!
    Beijos meus

    ResponderExcluir
  13. Adorei o texto! Prende a atenção do início ao fim... É difícil em algum momento não se ver fazendo parte dele. Bem intenso.
    Ótimo domingo pra você!
    Bjusss

    ResponderExcluir
  14. oi querida!
    lindo texto, parabéns pelo blog.
    bom final de semana, bjs
    seguindo *-*

    ResponderExcluir
  15. lindo texto,lindo blog,tudo muito fofo por aqui!!
    seguindo!!
    http://dayse177.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  16. Reverencio tuas palavras, Yohana! Tenho que refletir antes de comentar. Lindo isso!!!
    Bjo

    ResponderExcluir
  17. O que eu senti, difícil dizer. Teu desfecho é igual ao meu, de quem sabe que já acabou e que infelizmente, esse amor se guarda na memória e na música maldita, mas que ainda quer repeteco, bis, continuação. São as vírgulas e reticências, que como diz o Caio, a gente usa ao invés do ponto final. Pontos finais são dolorosos, mas ainda acho que um adeus sempre antecede um novo olá. Um beijo, adorei esse também.

    ResponderExcluir
  18. Difícil lembrar desses amores nossos que tiveram tudo pra dá certo, semelhante aos de filmes, mas que tiveram desfecho. Mas como diz Caio, ''jogue pra cima, se voltar é seu'' e pelo jeito, esse garoto não peca em te deixar esquecê-lo né? Pensa bem nisso. Um beijo pra você flor!

    ResponderExcluir
  19. Oi Yohana *.*
    Quanto tempo ;)

    Post simplesmente perfeito, uma mistura de sensações e de sentimentos capaz de tocar qualquer um...

    Novidade! Meu blog mudou de nome, não é mais o SEMAISDELONGAS, agora é o http://fotografiasnaparede.blogspot.com/

    Atenciosamente FPC

    ResponderExcluir
  20. menina menina menina
    este texto está perfeito.
    adorei.
    Amores que ficam, que permanecem. Seja pela música, pelas cartas, pelas lembranças. E apesar do adeus continuam vivos.

    ResponderExcluir
  21. Menina, que lindo esse texto.
    Você disse tanta coisa que tanta gente sente.
    Eu gostei bastante.
    bj

    ResponderExcluir
  22. Aos Poetas e Poetisas...

    Poetas e Poetisas...

    Nunca parem de escrever...

    Quando paramos ...sucumbimos ao mundo...

    Não podemos permitir que tamanha dor alcance nossas almas...elas merecem muito mais ...

    Merecem fluir em meio às palavras...merecem encontrar à liberdade que o mundo não nos dá...

    ResponderExcluir
  23. Seu texto só me deixou mais sentimental e carente do que já estava, agora as lágrimas que estavam presas, teimam em cair...
    Não consigo dizer adeus, não sai, dói e sempre opto pelo abraço, mas ao mesmo tempo queria um diagnostico de curada, como fazer?
    Lindo texto...
    beeeijo ;*

    ResponderExcluir
  24. Lembrei desse da Flora Figueiredo, que me encanta e me dói :

    "Não deixe portas entreabertas.
    Escancare-as.
    Ou bata-as de vez.
    Pelos vãos, brechas e fendas
    Passam apenas semiventos,
    Meias verdades
    E muita insensatez."


    =**

    ResponderExcluir
  25. Como sempre seus posts tendo muito a dizer me identifico bastante com todos bjus e boa semana memiga ^^

    ResponderExcluir
  26. Sdd de vc viu?

    Não to indo mto no meme.

    bjokas fica com Deus

    ResponderExcluir
  27. Difícil descrever aqui o que senti, além de várias lembranças de minha vida, principalmente no trecho que fala de músicas, bateu uma nostalgia danada.
    Dizer adeus é muito difícil, principalmente quando há algum sentimento ainda. Creio eu que o tempo ameniza tudo.

    Lindo texto flor, como sempre me deixando sem palavras.

    Beijos

    ResponderExcluir
  28. É mesmo, um pouco triste...mas essas historias tristes são tão bonitas, acho que é pq a gente enche o papel com os mais sinceros sentimentos.

    eu descobri também que deveria colocar censura em certos filmes.

    Um Beijo, querida.

    ResponderExcluir
  29. bom dia super "Poeta"

    como sempre esse blog ta bombandooo heim

    Boa semana bjosssss

    ResponderExcluir
  30. Ah, esse amor!
    É tão complicado quando um sentimento existe, mas não há como ficar... Que o adeus, abra outras portas... Deixando a beleza dos novos "oi" entrar!
    Não sei o que falar sabe? Estou emocionada, de verdade.
    Beijos moça ! =*

    ResponderExcluir
  31. menina, como vc expressa tão bem sentimentos tão complicados...Parabens , me perdi nas suas palavras...beijos achocolatados

    ResponderExcluir
  32. As vezes o melhor é seguir em frente, fácil?Não é nenhum pouco,mas é necessário, precisamos olhar pra frente, se abrir para novas oportunidades e possibilidades.
    Beijosss

    ResponderExcluir
  33. Não sei bem como é isso do coração render-se a razão. Acho que não quero aprender.
    E olha amiga, não sei se é bom eu comentar isso, mas admirei muito a criatividade engraçada do motivo da sua escrita.

    Depois confirma pra mim se você vai querer participar do projeto novo do meu blog, tá bom ? O convite está aberto.

    Beijos da Flor

    ResponderExcluir
  34. Eu resumo o texto também nessa frase '' era pra ser um abraço e acabou sendo um adeus''. Inclusive ela está me incomodando até agora...coisa que gosto.

    Parabens pelo belo texto de grandes passagens

    bj, garota

    ResponderExcluir
  35. aaaai... que saudadezinha gostosa essa... essas que furtam horas de nossos dias voltadas pra ela, mas sem aquele desespero de saudade logo após partida. Essa de contentamento com uma deixa de duvida, é no mínimo digna de ser sentida, só pra constatar que os momentos vividos foram bons de verdade!
    Yohanna seus textos me prendem e me fazem viajar... adoro seu espaço e suas palavras. Beijos querida!

    ResponderExcluir
  36. Querida Yohana, que nesta Páscoa, você receba muitas bênçãos dos céus e encontre junto ao ninho do coelhinho, além dos ovinhos embrulhadinhos, muita paz, muitas flores, muitas alegrias e muitas energias renovadas. Feliz Páscoa a vc e todos seus familiares!! Bjinhos.

    ResponderExcluir
  37. Yohanna passando pra te desejar uma páscoa cheia de alegrias

    fartura q bençãos bjus memiga

    ResponderExcluir
  38. Acho que é a terceira vez que comento sobre em alguns blogs, e vou dizer de novo: ô sentimento irônico é o amor, né?
    Mas que dos cacos que dele restaram, tiremos nossas lições; de sermos mais fortes, racionais. É o que nos resta.
    Beijos, flor!
    Cada vez mais perfeito seu blog. :)

    ResponderExcluir
  39. Às vezes, é bom escutar a tal da razão!
    Beeijoos

    ResponderExcluir
  40. Magnifico !
    Gosto muito do seu blog.
    ^^

    ResponderExcluir
  41. Melhor assim do que com o sofrimento póstumo, né? (apesar de que ele vem junto do mesmo modo...)
    Belo texto, querida!

    Ah. e como vai minha assídua leitora que nunca me abandona, hein? hahaha
    Beijo e uma ótima Páscoa, querida! =*

    ResponderExcluir
  42. a memória é feita de músicas, de lugares e de fotografias. são as coisas que mais ficam. e são as mais dolorosas.
    mas são também as coisas mais importantes.

    ResponderExcluir
  43. Princesa, que lindooo!! "O que te salva e não me liberta". Bom demais!! E as tais músicas que não saem do pensamento... rs...Perfeito!!

    Ahhh... Moradora de Nikity, que lindo!! rs... Eu moro...ali...ao lado...quase lá!! rs... Bjks!

    ResponderExcluir
  44. Meu Deus, toda vez que eu passo aqui eu me incanto. Confesso que sou seu fã.

    E quanto ao texto, as coisas passam, até as músicas passam e perdem seu significado... Não há nada que o tempo não jogue para debaixo do tapete.

    Beijos

    ResponderExcluir
  45. lindo o texto!! Sobre a parte da música, eu digo, a pior coisa que um romance deixa é lembrança ruim em música boa.
    Concordo com o texto, e sempre adorei esse trecho do Gabito, "os amores mais bonitos são aqueles que não foram usados". Ás vezes insistir em um reencontro, insistir em viver algo que ficou em aberto só tira a beleza do que passou. Talvez a história seja tão maravilhosa e digna de ser contada em um texto lindo pq ela não terminou e a magia não acabou, e nunca vai acabar enquanto optar pelo "adeus" em vez do abraço.

    Beijoos
    http://agarotaquetemquasetudo.blogspot.com/

    Beijooos.

    ResponderExcluir
  46. ''era pra ser um abraço, mas preferiu o adeus''

    Isso me tocou profundamente.
    Os meninos cariocas sabem bem como mecher com os sentimentos. Me encantei com tudo que li e que reli além deste texto, estou seguindo também! também adorei ''te descobrir''!

    Bjs

    ResponderExcluir
  47. Ai, achei muito lindo aqui... você é uma ótima escritora sem dúvidas...

    amei tanto que já estou seguindo... um blog desses a gente nunca deixa escapar!

    http://estilooque.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  48. A gente acaba cansando dos clichês e quer o novo. Daí opta pela adeus.

    ResponderExcluir
  49. Olá Yohana! Nesses dias eu estava tentando dizer o quanto eu adorei o seu texto, mas estava difícil enviar o comentário aqui :((

    ResponderExcluir
  50. Esse ir e vir, sorrir e chorar, tempestade e calmaria faz de tudo o que foi vivido em algo único. Yohana, lapidas teu dom de bem expressar!
    Bjo, amada.

    ResponderExcluir
  51. Minha flor, primeiramente obrigada pelo carinho de sempre...vc é um anjo.
    Seu blog, seus textos, sua harmonia é algo memorável...Parabéns!!
    Depois passa no meu blog que de agora em diante vc tb tem um cantinho só seu...
    Bjkasss e continue nos encantando com sua maneira tão própria de escrever.

    ResponderExcluir