segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

Compacto.

19 Comentários






Dentre as especialidades da vida moderna, além de seus efeitos destrutivos e segregadores, nada me chama mais a atenção quanto a  facilidade de tornar tudo mais próximo, mais simplificado.
Os meios de comunicação rompendo fronteiras, serviços e atendimentos cada vez mais informatizados, avançados, o consumismo maquiado de vantagem no famoso, “pague um, leve dois”!
Tudo parece mais acessível, mais anexo, mais agregado. 
Certa vez fui pesquisar um computador. Encontrei um que me agradava e decidi levá-lo. No meio de todo o processo da compra travou-se uma invisível queda de braço: vendedor versus eu! Eu satisfeita com o modelo escolhido, sua capacidade e valor. Ele compreensivelmente  voltado a aplicar suas técnicas de venda a fim de mostrar eficiência e engordar seu salário, me oferecia serviços adicionais, garantias estendidas e é claro, um acréscimo no valor.
Mas seu canto aos meus ouvidos não era de sereia e à medida que ele se empenhava em me convencer das vantagens ofertadas, mais eu trabalhava a pouca paciência que tenho somada à boa educação que mamãe deu:            
 - Não, obrigada. Não, não é preciso. Não, estou satisfeita. Não, não, não.             
 E como havia de ser, a mentora, minha imaginação, se aproveita da situação e me faz pensar: e se funcionasse assim com os sentimentos? E se funcionasse assim para tudo que há de bom, tudo que há de realmente necessário? Tudo bem, sentimentos não são serviços, muito menos mercadorias, mas imagina se tudo que importa viesse assim também, compacto.                                                    
- Está aqui senhora, compreensão e lealdade, que é o que você ganha levando amizade, que, aliás, está em falta por aí. Aproveite também pra levar sinceridade com a qual você ganha confiança. Ou invista educação, e terá crescimento como garantia.                        
- E levando amor, o que eu ganho?                                                                                
- Bom senhora, levando amor a senhora não se arrependerá. Junto com ele vem o companheirismo, o perdão, uma infinidade simultânea de sabores, sensações e um pacote adicional de felicidade. E nem precisa se preocupar com garantia, pois a senhora poderá levá-lo a manutenção quantas vezes forem necessárias, pois este aqui, o amor verdadeiro, o original, pode dar defeitos, mas sempre terá conserto...e então senhora, o que me diz?
 -Eu? Digo sim! Sim, eu quero, sim vou levar. Sim, sim, pra sempre sim. 

19 comentários:

  1. Também diria siiiim, amiga!
    Gosto da relação que estabeleces entre temas, aparentemente, distantes. É uma delícia passar por aqui!
    Bjo

    ResponderExcluir
  2. Ameii,
    que texto delicioso de ler.
    '- E levando amor, o que eu ganho? - Bom senhora, levando amor a senhora não se arrependerá.'

    *_*

    ResponderExcluir
  3. Que texto incrivel yohanna com certeza com o amor ganhamos muitas coisas boa semana p/ vc tem selinho no meu blog p/ ti fike a vontade bjinhos ^^)

    ResponderExcluir
  4. Ahhh Yohana.. você escreve mesmo espetacularmente!.. Realmente se pudéssemos compactar os sentimentos.. ahhh como seria bom isso!

    Uma super beijoca em seu coração e mais uma vez parabéns pelos seus textos belíssimos!!!

    *verinha*

    ResponderExcluir
  5. Adorei o post.. Queria que fosse assim para mim também! Sorte

    ResponderExcluir
  6. Acho que quantomais o tempo passa, mais as coisas perdem seu sentido, seu significado. O eu te amo de antigamente tinha bem mais valor que o atual. O olá da outra década era bem mais verdadeiro do que esse que recebemos hoje em dia. As coisas perdem sua "mágica"... =/
    Beijo, querida.

    ResponderExcluir
  7. Muito, muito, muito bom!

    Seria maravilhoso se fosse possível "adquirir" tão facilmente o que é realmente primordial.

    Beijos, beijos e obrigada pela visita!

    ResponderExcluir
  8. Ótimo o texto! A comparação se encaixou super bem. Concordo com vc, que sejam mais verdadeiros e compactos os sentimentos.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  9. Muuuito bom!
    O pacote "AMOR" é maravilhoso! HAHA
    Ai, quem me dera?!
    Parabéns!

    Beijos e Queijos!;*

    http://mundoforadagua.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  10. Yohanaaaaaaaaaaaaaaaaaaa semana iluminada :)
    Infinitos beijinhosssssssssssssssss no ♥, flor!!
    Fica com Deus!!

    ResponderExcluir
  11. Queridaaaaa, tem poesia visual lá no blog. Deixo, só desta vez, as palavras serem substituídas pelos movimentos. Estou oferecendo esse momento de beleza aos amigos conquistados na rede.
    Bjo, amiga minha.

    ResponderExcluir
  12. Seus textos perfeitos...
    Beijos meus e um lindo dia!

    ResponderExcluir
  13. adorei a ideia do texto guria! muito muito boa. ficou ótimo. e deveria vir assim mesmo, com bônus, direitinho. mas certas amizades e amores vem a seu modo, com suas individualidades. um beijo pra ti

    ResponderExcluir
  14. Todo mundo quer levar o amor verdadeiro. Pena que ele é carinho!

    ResponderExcluir
  15. oi Yohana vim retribuir sua visita no meu blog!!Obrigada e to te seguindo viu?bjs

    ResponderExcluir
  16. Amei essa crônica sua. Quem dera se com os sentimentos também fosse assim.

    Beijos

    ResponderExcluir
  17. Tem selos de presente pra você no meu blog, passe lá e pegue,beijos.

    http://ventosnaprimavera.blogspot.com

    ResponderExcluir
  18. Fantástico! Seria muito bom se pudessemos adicionar valores a alguém, assim como adicionamos acessórios a uma mercadoria. A vida seria bem mais simples. Mas tenho a impressão de que perderia um pouco de seu sentido também, não acha? Por que a graça da vida está na procura por tudo isso, e se pudessemos simplesmente comprar um pacote, a busca acabaria. E o ser humano necessita desta eterna procura, é o que o faz prosseguir.

    Bjs!

    ResponderExcluir
  19. Pode ser brega, mas a frase em negrito, e a suma do texto me lembraram a música que agora virou bordão 'vou não, quero não, minha mulher não deixa não' hahahahaha
    Compactar os sentimentos é o primeiro passo pra sentir com mais intensidade, a meu ver. Ótimo!
    Beijoca

    ResponderExcluir